Ir para o conteúdo
ou

<span>bahia 1798</span>

 Voltar a Blog de Notí...
Tela cheia Sugerir um artigo

Sindicato aciona o MP e a Justiça para Prefeitura de Itabuna pagar dívidas

27 de Abril de 2016, 3:34 , por Luiz Gonzaga das Virgens - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 64 vezes

Fonte: Jornal Agora

 O Sindicato do Magistério Municipal Público de Itabuna (SIMPI) cobra o pagamento do terço de férias e o reajuste salarial de 11,36% dos professores de nível I.

Diante da falta de acordo para o pagamento do terço de férias que está em atraso desde 30 de março e do reajuste salarial de 11,36% dos professores de nível I, devido desde o mês de janeiro, o Sindicato do Magistério Municipal Público de Itabuna (SIMPI) acionou o Ministério Público do Trabalho (MPT), o Ministério Público Estadual (MPE) e a Justiça do Trabalho para resolver as pendências.

A diretoria do SIMPI diz ter sido informada pela Secretária Municipal da Educação, Dinalva Melo, que a prioridade do Governo será com o pagamento do salário. Diante da negativa, o Sindicato decidiu seguir pela via judicial. “A Secretária disse que o pedido de aplicação de reajuste salarial aos professores de nível I já foi feito pela sua pasta, entretanto, ainda não teve retorno da Secretaria da Fazenda”, explicou Carminha Oliveira, presidente do SIMPI.

E completou: “Sobre o terço de férias ela disse que não está previsto para sair neste mês, pois a Secretaria da Fazenda está aguardando recursos novos que deverão ser creditados na conta do município entre os meses de maio e junho”. Além de acionar o MPT e MPE, o Departamento Jurídico do sindicato também ajuizará reclamação trabalhista, perante a Justiça do Trabalho, cobrando o pagamento imediato e as indenizações cabíveis.

“Enquanto entidade sindical estamos fazendo tudo que é possível para resolver esta situação. Já realizamos assembleia e decidimos que caso o pagamento das verbas devidas não seja efetuado, não retornaremos às salas de aula no dia 16 de maio. Parece que o Prefeito não se preocupa mais com a qualidade do ensino, portanto, temos que recorrer às vias judiciais e ao auxílio do Ministério Público”, finaliza a presidente do SIMPI, Carminha Oliveira.


0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.