Ir para o conteúdo
ou

<span>bahia 1798</span>

 Voltar a Blog de Notí...
Tela cheia Sugerir um artigo

Nildma, a primeira vereadora negra de Vitória da Conquista

17 de Outubro de 2016, 23:21 , por Luiz Gonzaga das Virgens - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 48 vezes

Por Gambiarra

Nildma (PCdoB) vem de um histórico de movimentos sociais para o homem e mulher do campo e foi uma das únicas candidatas a pautar políticas LGBT na sua campanha

Nidma conquista

Com seu nome escolhido 2127 vezes na urnas conquistense, Nildma Ribeiro Lima(PcdoB) foi uma das três mulheres que garantiram vaga dentre as 21 cadeiras da Câmara Municipal de Vereadores de Vitória da Conquista.

Dentre elas –  e entre todas as mulheres que já legislaram na cidade, Nildma foi a única que se declarou preta. Assessora sindical da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura no Estado da Bahia (Fetag) e diretora da União de Mulheres – a vereadora eleita possui vivência e diálogo com movimentos sociais.

“Aos 18 anos iniciei minha vida no movimento sindical, como assessora sindical da Fetag, atuando na região Sudoeste, fazendo com que as políticas públicas chegassem até o homem e à mulher do campo e desenvolvendo um trabalho voltado especificamente para a zona rural”, conta.

Leia também:
– Câmara de Vereadores de Conquista voltará a ter 3 mulheres legislando
– Mulheres são maioria no eleitorado em Conquista, mas ainda perdem nas candidaturas

Nesta experiência, esteve a frente de alguns projetos visando inclusão da juventude e dos trabalhadores e trabalhadoras do campo e da cidade, através de ações no bairro Patagônia – onde mora. Assim, surgiu a proposta de se candidatar em 2012, quando já obteve uma votação expressiva (1780 votos), mas não se elegeu.

“Importante a mulher estar ocupando os espaços de poder, o espaço político, nós temos uma câmara com 21 vereadores,a tualmente foram eleitas 3 mulheres, isso importa. No cenário brasileiro, a mulher é a maioria do eleitorado, mas infelizmente a minoria está na política, queremos dar esse respaldo”, explica.

A Revista Gambiarra ainda conversou com Nildma sobre o que ela espera dos próximos quatro anos na Câmara de Vereadores. Confira:

Revista Gambiarra: Três mulheres foram eleitas para a nova legislatura, duas delas de partidos à esquerda. Qual pode ser o impacto disso na cidade?

Nildma: É claro que nós vamos defender aquilo que nós planejamos e que lutamos ao longo desses anos pelas classes menos favorecidas da nossa sociedade. Então, na Câmara, nós precisamos dar respaldo a essa luta constante. Tenho certeza que eu e Viviane (PT) estaremos lá traçando um ótimo trabalho.

RG: Das três, você é a única que se declara preta. Qual o impacto disso na sua atuação política?

É importante para a valorização da mulher negra, valorização dos povos, dos quilombolas. E como disse anteriormente, nós vamos estar defendendo todos esses segmentos sociais, isso é muito importante.

RG: Acredito que a sua candidatura foi uma das únicas que tratou mais a fundo as políticas para a população LGBT e talvez será a primeira a tomar isso como pauta na história da Câmara de Vereadores. Como a senhora pretende fazer isso?

N: Nós pretendemos fortalecer a coordenação de políticas LGBT, dar mais visibilidade, fazer com que as pessoas respeitem qualquer forma de amar, por que qualquer forma de amor é possível – e acabar com qualquer tipo de intolerância.

RG: Na última legislatura tivemos algumas pautas conservadoras sendo levantadas, bem como o projeto “Escola Sem Partido”. A senhora pretende confrontar quem defende essas pautas?

N: Vai ser uma discussão ampla e acirrada, né? Não podemos aceitar a aprovação do projeto Escola Sem Partido, pelo contrário, queremos que nossos jovens e adolescentes saiam conscientizados de seus direitos e deveres e a escola é um exemplo disso.

RG: Por fim, gostaria que a senhora convidasse o leitor a acompanhar mais de perto a próxima legislatura.

N: Nós estamos na política por que acreditamos em uma política séria e ética e é importantíssimo que os eleitores participem das sessões e acompanhem o mandato do seus vereadores , do prefeito, etc. Não existe vereador só, ele tem que estar acompanhado e a comunidade tem que desempenhar esse papel importante de ajudar na criação de projetos que vão ajudar no crescimento do nosso município.

 


0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.